Skip directly to content

Pecuária sustentável do Pantanal ganha protocolo de certificação

quarta-feira, 4 Outubro, 2017

A Associação Brasileira de Produtores Orgânicos (ABPO), com apoio do WWF-Brasil, deu mais um passo para conservar o Pantanal e entregar aos consumidores uma carne bovina sem resíduos químicos e obtida com responsabilidade social e ambiental. O “Protocolo de Carne Sustentável”, lançado ontem, inova ao ser o primeiro do País a inserir a conservação ambiental numa certificação de raças bovinas.

 

Pecuaristas que decidirem aderir deverão adotar boas práticas produtivas, como por exemplo: ajuste de lotação de pastagens para evitar a compactação, perda de nutrientes e desequilíbrio do solo; não utilização de produtos químicos no solo, realização de curvas de níveis em propriedades da região do planalto que realizarem a terminação dos animais; utilização de pastagens nativas do Pantanal; proteção dos recursos hídricos e recuperação de áreas degradadas.

 

“Esse protocolo valoriza o homem pantaneiro, sua cultura e os processos produtivos que há mais de 200 anos preservam o bioma. Somente são admitidos animais comprovadamente nascidos no Pantanal e alimentados com pastagens naturais. Caso o produtor opte por fornecer grãos ao rebanho, eles precisam ser certificados e não-transgênicos”, diz Leonardo Leite de Barros, presidente da ABPO.

 

O bem-estar animal é uma preocupação em todas as fases do processo produtivo; além disso, está garantida a rastreabilidade de toda a cadeia produtiva (desde nutricionais, manejo, transporte, abate e processamento) e a padronização dos processos. “O consumidor que escolhe esse produto, opta por uma carne saudável, mas também está ajudando a conservar o Pantanal e sua tradição cultural, por meio de uma escolha responsável”, conclui Barros.

 

Desde 2003, o WWF-Brasil já apoiou a certificação de 180 mil hectares com pecuária sustentável, no Mato Grosso do Sul. “Graças à pecuária tradicional do Pantanal, 82% da planície pantaneira ainda está preservada. A parceria com o setor produtivo é de fundamental importância para que nossa missão de produzir em harmonia com a natureza seja alcançada garantindo a sustentabilidade socioambiental e econômica para esta e as futuras gerações”, diz Júlio César Sampaio, coordenador do Programa Cerrado Pantanal do WWF-Brasil.

 

O “Protocolo da carne sustentável” está depositado na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), é fiscalizado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) e auditado pelo Instituto Biodinâmico (IBD).

 

Rastreabilidade

 

Todos os animais têm identificação individual e o sistema recebe informações como ano em que nasceu, raça, fazenda, tipo de nutrição, intervenções. Os produtores que aderirem ao Protocolo utilizarão a ferramenta “Fazenda Pantaneira Sustentável” (FPS), desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), um software que avalia os processos produtivos para detectar o grau de sustentabilidade da propriedade por meio de diversos indicadores. O software gera uma nota final com as respostas de todos os indicadores e fornece um relatório que indica se a fazenda está sustentável ou se necessita fazer ajustes.

 

 

Colaboração de Júnia Braga, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/10/2017